30-06

* José Matias Alves

 

Chegamos ao merecido tempo de férias, com uma crise financeira e económica grave, com ameaças sérias de agitação social, com nuvens sombrias nos horizontes que respiramos. No campo educativo, chegamos com alguns sinais paradoxais, diversas incógnitas que o tempo a vir elucidará.

 

Quero aqui enunciar a necessidade de um tempo de alento e de esperança. Alento e esperança na capacidade das escolas e dos professores, no poder mobilizador das lideranças inspiradoras, na construção de um sentido de comunidade.

 

Precisamos de praticar uma ativa cidadania profissional e organizacional. Que faça dos professores coautores do seu destino e não meros funcionários ou súbditos. Professores que sejam ativadores das redes onde cada escola tem de ser, afirmando-se nas interdependências. E membros de pleno direito das organizações educativas que ajudam a desenvolver.

 

O tempo a vir é, certamente, um tempo difícil e sombrio. Mas as nossas inteligências podem iluminá-lo. As vontades podem tecê-lo. A nossa determinação e lucidez podem dar-lhe um sentido de humanidade (de que muito carecemos).

 

Divididos entre dois sentimentos. Entre a ameaça e a promessa. Mas, apesar de tudo, partidários de que outra ordem é possível.

 

A todos os meus leitores, votos de boas e merecidas férias.

 

* José Matias Alves é professor do Ensino Secundário, mestre em Administração Escolar pela Universidade do Minho, doutor em Educação pela Universidade Católica Portuguesa e professor convidado desta instituição.



publicado por Correio da Educação às 15:10
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

CONTACTOS

ce@asa.leya.com
pesquisa
 
Correio Disciplinar
Ciências Sociais e Humanas
Línguas e Literaturas
Ciências Exatas e Experimentais
Expressões
Escola em destaque
Escola Secundária Alcaides de Faria
Agenda


arquivo
Ligações
Parceiros
subscrever feeds