02-12

Lisboa, 08/08/1904 - 24/06/1991


Natural de Lisboa, Elina Guimarães é filha única de Vitorino Guimarães, militar e republicano convicto, combatente na Guerra de 1914-1918, deputado e um dos últimos primeiros-ministros da I República. Coerente com os seus ideais, exerce uma influência decisiva na formação humanista e política da filha: ensina-a a ler aos cinco anos, estimula-a a estudar e fomenta a crença na capacidade intelectual das mulheres, bem como a necessidade de lutar pela igualdade de direitos e oportunidades entre os sexos. Elina Guimarães estuda em casa, devido a problemas de saúde, travando conhecimento com o Dr. João Soares, pedagogo que marca a sua infância.

 

 

João Esteves, “GUIMARÃES da Palma Carlos, ELINA Júlia Pereira “, in António Nóvoa (dir.), Dicionário de Educadores Portugueses, Porto, Edições Asa, 2003, pp. 670-671, com adaptações.



publicado por Correio da Educação às 16:01
link do post | comentar | ver comentários (6) | adicionar aos favoritos

1. Este título identifica uma série televisiva nacional, que entusiasmou os portugueses. Procurava colocar perante o público a realidade política e social do final do regime anterior, nos anos sessenta.

Foi uma ideia feliz, construída no princípio de que o passado pode ser portador de futuro quando criativamente revisitado. De uma forma ou de outra, o passado apresenta-se sempre prenhe de saberes, a investir em realizações futuras.

Tal como “futuro”, os termos “novo”, “re-novar”, “(re-)construir”… só se compreendem porque levam consigo a ideia oposta de passado. Muitos o esquecem, mergulhados no nosso tempo de projecto e de planificação. Um exemplo é a planificação da Casa da Música 2010, distribuída com o Público, 1 de Novembro de 2009


J. Esteves Rei - Professor Catedrático de Didáctica das Línguas e de Comunicação, na UTAD, Vila Real.

 

 



publicado por Correio da Educação às 15:28
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

4 e 5 de Dezembro


Nos dias 4 e 5 de Dezembro, realiza-se o colóquio internacional “O lugar da
lógica e da argumentação nos programas de filosofia do Ensino Secundário”, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Sala Víctor de Matos. (Ver mais)



tags:

publicado por Correio da Educação às 10:19
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

01-12

“O PÚBLICO antecipa as comemorações da comemoração do Centenário da República Portuguesa, lançando em banca a história e música do POETA DA REPÚBLICA. Descubra a importância de Guerra Junqueiro e da sua música e poesia, que ajudaram a criar o ambiente revolucionário que conduziu à implantação da República. Livro e Cds da autoria do Curso de Som e Imagem da Escola de Artes da Universidade Católica Portuguesa do Porto, sob coordenação e revisão científica de Henrique Manuel S. Pereira, no âmbito do Projecto ‘Revisitar/Descobrir Guerra Junqueiro’”.

 

À mocidades das escolas

Finis Patriae

 

Por terra, a túnica em pedaços,

Agonizando a Pátria está.

Ó Mocidade, oiço os teus passos!...

Beija-a na fronte, ergue-a nos braços,

Não morrerá!

 

Com sete lanças os traidores

A trespassaram, vede lá!. ..

Ó Mocidade!. .. unge-lhe as dores,

Beija-a nas mãos, cobre-a de flores,

Não morrerá!

 

Turba de escravos libertina

Nem ouve os gritos que ela dá ...

Ó Mocidade, ó louca heroína,

Pega na espada, arma a clavina,

Não morrerá!

 

Já desfalece, já descora,

Já balbucia... é morta já ...

Não! Mocidade, sem demora!

Dá-lhe o teu sangue ébrio d'aurora,

Não morrerá!

 

Rasga o teu peito sem cautela,

Dá-lhe o teu sangue todo, vã!

Ó Mocidade heróica e bela,

Morre a cantar!... morre ... porque ela

Reviverá!

 

Guerra Junqueiro

08 de Dezembro de 1890

 



publicado por Correio da Educação às 17:15
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos

O acto de escrever é fundamental nos nossos dias. A escrita está presente nos livros, nos jornais e revistas, nos cartazes publicitários, nas legendas dos filmes, nos e-mails, nos SMS, sendo que estes têm uma forma sui generis.

A escola tem como objectivo dar aos alunos competências para lerem e para comunicarem, por escrito, de forma correcta. Esta actividade de escrita deve ser diária e, no 1º Ciclo, ela deverá ser muito exigente porque a idade das crianças é óptima para memorizar/consolidar regras que, no futuro, evitarão o erro ortográfico. Aliás, verifica-se que muitos alunos chegam ao 2º Ciclo sem hábitos de leitura e com graves lacunas na escrita que, na maioria dos casos, resultam da pouca prática desses hábitos - ler e escrever – no 1º Ciclo.

 Marta Oliveira SantosLicenciatura em Filologia Românica; colaboradora de várias publicações.

 



publicado por Correio da Educação às 16:07
link do post | comentar | ver comentários (15) | adicionar aos favoritos

Nome: João Avelino Araújo de Sousa

Profissão: Arquitecto; Habilitações: Licenciatura; Ano: 1985

 

- Qual a sua actividade profissional mais gratificante já realizada?

Como Arquitecto, ajudar os outros a concretizar sonhos.

 

- Para si, qual a chave para mudar a educação em Portugal?

Sinceramente não sei.

 

 



publicado por Correio da Educação às 10:09
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

 

Os sindicatos de professores querem saber qual será a duração da carreira proposta pelo Ministério da Educação, bem como o número de professores em cada escalão e o tempo necessário para a transição, antes de qualquer compromisso. (Público)


tags:

publicado por Correio da Educação às 09:04
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

CONTACTOS

ce@asa.leya.com
pesquisa
 
Correio Disciplinar
Ciências Sociais e Humanas
Línguas e Literaturas
Ciências Exatas e Experimentais
Expressões
Escola em destaque
Escola Secundária Alcaides de Faria
Agenda


arquivo
Ligações
Parceiros
subscrever feeds