14-10

Relia há dias o romance, Orgulho e Preconceito, de Jane Austen e deparei-me com uma série de preconceitos essencialmente sociais e culturais, tal como surgem identificados, expostos e narrados. Porém, surpreendeu-me o facto de me confrontar subitamente com uma interessante passagem, por mim já esquecida, e que, contudo, assinala um importante foco de interpretação da obra e da sociedade epocal ali enformada. Para além disso, a aludida passagem assinala interessantemente um ponto de relevante e actualizada polémica, sensível, por isso, à nossa época e hodiernas sociedades e demais subsistemas culturais e educativos. Trata-se, mais exactamente, da passagem relativa à consideração da personagem Mr Collins relativamente à leitura de romances no contexto da visita à casa da família Bennet. Justamente, Mr Collins afirmava a dada altura:

“ [...] O Sr. Collins prontamente aceitou, e um livro foi introduzido, mas ao contemplá-lo (pelo que todos os livros provinham de uma biblioteca itinerante) afirmou nunca ler romances. [...] ". O Sr. Collins, [...] disse: "Tenho muitas vezes observado quão pouco as jovens moças se interessam por livros de carácter sério e grave, embora escritos exclusivamente para o seu benefício. Espanta-me, confesso, - já que, certamente, não pode haver nada tão favorável a elas como a instrução. [...] ". [Austen, 1984:113].

 

 



publicado por Correio da Educação às 17:01
link do post | comentar | ver comentários (16) | adicionar aos favoritos

Lisboa, ??/?? /1821 - Lisboa 20/01/1890

 

Filha de "pais humildes e laboriosos", segundo os seus próprios apontamentos autobiográficos, inicia-se em 1835 no jornalismo e na poesia com um soneto no periódico político da oposição, Guarda Avançada. Colabora em vários jornais e revistas, sob o pseudónimo de "A Portuguesa Liberal". É autora de artigos de crítica aberta ao governo, nos quais afirma as suas convicções liberais. Na sequência de uma mudança de orientação política, passa a escrever, desde 1841, na Revolução de Setembro, no Patriota, no Bejense, no Diário de Notícias e no Jornal do Povo. Por carta régia de 31 de Agosto de 1847, é nomeada professora da escola pública das Mercês para o sexo feminino, mas já anteriormente leccionava no ensino particular. Acompanha o 1.º visconde de Castilho na sua campanha de instrução. Entre Fevereiro de 1862 e Maio de 1863, rege gratuitamente a aula nocturna criada pelo Grémio Popular, denominada de Escola de D. Pedro V, facto que contribui para receber um louvor do Governo.

«CANUTO, Maria José da Silva», Cláudia Castelo, in António Nóvoa, Dicionário de Educadores Portugueses, Porto, Edições Asa, 2003: 264 - 265, com adaptações.




publicado por Correio da Educação às 16:41
link do post | comentar | ver comentários (3) | adicionar aos favoritos

1. O homem ainda não conseguiu libertar-se do lugar e do tempo mesmo na era do virtual. Assim, comemorando-se neste ano o centenário da implantação da República, parece acertado que este facto surja no horizonte veraneante. Tais comemorações celebram-se um pouco por todo o lado, com destaque para a capital onde mais lugares e pessoas estiveram ligados a esse acontecimento.

Em Lisboa, parece ter concentrado o seu interesse a Comissão Nacional das Comemorações do Centenário, ao criar três grandes exposições, que chamam a atenção do transeunte desde os grandes painéis exteriores. A do “Corpo”, no torreão oriental do Terreiro do Paço, a do “Viajar”, no local oposto a esse da mesma praça, e a da “Viva a República 1910 – 2010”, na Cordoaria, à Junqueira.

Uma deslocação a Lisboa para uma visita a esses espaços faz lembrar outras peregrinações culturais à capital, como a “Expo 98”, bem mais badaladas pela comunicação social, mas com idênticos motivos e de igual implicação identitária.

 

 

J. Esteves Rei - Professor Catedrático de Didáctica das Línguas e de Comunicação, na UTAD, Vila Real



publicado por Correio da Educação às 15:31
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

06-10

IIIas JORNADAS DE PEDAGOGIA

“FAMÍLIA E ESCOLA: EDUCAR PELO EXEMPLO”

(09 de Outubro, Sábado, de 2010)


APRESENTAÇÃO

É muito antiga a referência do pensamento pedagógico ao papel do exemplo como principal caminho da acção educativa. No “exemplo de vida” vai o testemunho da coerência entre o que se diz e o que se faz, entre o pensamento, as palavras e a acção, entre os valores admitidos e os compromissos realizados, entre a teoria e a prática. Por isso o exemplo é tão convincente e tão imprescindível em toda a acção verdadeiramente educativa, sobretudo nas instâncias educativas por excelência, na família e na escola.

 

OBJECTIVOS

  • Reflectir sobre o significado, actualidade e possibilidades da pedagogia pelo exemplo
  • Analisar as implicações éticas, antropológicas, estéticas e sócio-psicológicas da aplicação do exemplo na educação
  • Reavaliar a responsabilidade da família e da escola no fornecimento de exemplos compatíveis aos educandos
  • Fundamentar o dever de os educadores interiorizarem o exemplo de vida como estratégia educativa primordial
  • Estimular uma reflexão crítica sobre a relação entre a Família e a Escola.
  • Aprofundar o papel do grupo e da sociedade na educação.

 

CONFERENCISTAS CONVIDADOS

  • D. Carlos Azevedo - Papel da exemplaridade na evolução da identidade espiritual cristã
  • Alfonso López Quintás - Un nuevo proyecto educativo: Ayudar a descubrir los valores
  • Pedro Strecht - A Criança, a Família e a Sociedade: Aprender Hoje, Novos Riscos, Novos Desafios.
  • Raul Jorge Passos - A liderança no contexto escolar
  • Valdemar Cruz - Vidas significantes

ORGANIZAÇÃO

  • Faculdade de Filosofia da Universidade Católica Portuguesa
  • Colégio das Caldinhas – Santo Tirso
  • Colégio da Imaculada Conceição – Cernache - Coimbra
  • Colégio de São João de Brito – Lisboa

 

INSCRIÇÃO

  • Participantes: 30 Euros
  • Participantes das entidades parceiras da Faculdade de Filosofia: 25 Euros
  • Estudantes não graduados: 15 Euros
  • Estudantes da UCP: 10 Euros

 

LOCAL DO CONGRESSO

  • As III Jornadas de Pedagogia realizam-se na Faculdade de Filosofia do Centro Regional de Braga da Universidade Católica Portuguesa

 

CONTACTO

Faculdade de Filosofia
Praça da Faculdade, 1

4710-297 Braga
Tel. Geral: (+351) 253 206 100
Tel. Direcção: (+351) 253 208 072
Fax Direcção: (+351) 253 208 073
Tel. Secretaria: (+351) 253 208 076
Fax Secretaria: (+351) 253 213 940


tags:

publicado por Correio da Educação às 13:35
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

01-10

 

O Parlamento aprovou hoje, com os votos favoráveis de toda a oposição e com o voto contra do PS, um diploma do Bloco de Esquerda, outro do CDS-PP e um terceiro do PEV que prevêem a criação de uma bolsa de empréstimo de manuais escolares para todos os anos do ensino obrigatório. Três deputados socialistas votaram ao lado da oposição. (Ver mais)


tags:

publicado por Correio da Educação às 14:51
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Planeta Gliese 581G, na Constelação da Libra


Cientistas descobrem planeta habitável a 20 anos-luz de distância

 

Planetas rochosos, parecidos com a Terra, já foram descobertos. Mas este, a 20 anos-luz de distância de nós, é o primeiro que parece ser habitável, dizem cientistas norte-americanos. (Ver mais)



publicado por Correio da Educação às 14:07
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

CONTACTOS

ce@asa.leya.com
pesquisa
 
Correio Disciplinar
Ciências Sociais e Humanas
Línguas e Literaturas
Ciências Exatas e Experimentais
Expressões
Escola em destaque
Escola Secundária Alcaides de Faria
Agenda


arquivo
Ligações
Parceiros
subscrever feeds