20-12

 

Poema de Natal
Vinicius de Moraes


Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos —
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.
Assim será nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos —
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.
Não há muito o que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai —
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.
Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte —
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.



publicado por Correio da Educação às 15:00
link do post | comentar | ver comentários (33) | adicionar aos favoritos

21-06

A Escola Secundária Camilo Castelo Branco, Famalicão, homenageou, recentemente, o professor Ademar Ferreira dos Santos, com a apresentação do livro E ofereço-me às palavras para sobreviver com elas.
Para a diretora da secundária famalicense, Fátima Cerqueira, «este projeto, concebido pela escola, pela equipa educativa da biblioteca e pelo centro de formação, conseguiu dar forma às palavras do Ademar e de todos aqueles que pretenderam demonstrar o quanto este os tinha tocado», indicando que a homenagem é, também, um agradecimento à família do autor pela cedência da sua biblioteca à escola.
Ademar Ferreira dos Santos foi professor do ensino secundário, jornalista e escritor, tendo sido diretor e promotor da Escola da Ponte. (Correio do Minho)



publicado por Correio da Educação às 14:10
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos

30-03

* Millôr Fernandes (1924-2012)


        Às folhas tantas
        do livro matemático
        um Quociente apaixonou-se
        um dia
        doidamente
        por uma Incógnita.
        Olhou-a com seu olhar inumerável
        e viu-a do ápice à base
        uma figura ímpar;
        olhos rombóides, boca trapezóide,
        corpo retangular, seios esferóides.
       

 

* Escritor brasileiro recentemente falecido.



publicado por Correio da Educação às 14:59
link do post | comentar | ver comentários (4) | adicionar aos favoritos

08-03

Portugal é um dos países com baixo índice de igualdade entre homens e mulheres, apesar de ultrapassar as médias europeia e mundial, revela o 'ranking' 2012 de igualdade de género da rede internacional Social Watch.
Numa escala de 0 a 100 pontos, o Índice de Igualdade de Género 2012  da Social Watch mede o fosso entre homens e mulheres na educação, na participação económica e no poder  político.

Com uma média geral de 77 pontos, Portugal tem um baixo índice de igualdade  entre homens e mulheres, só atingindo o nível cimeiro no parâmetro da educação. (SICN)

 



publicado por Correio da Educação às 09:01
link do post | comentar | ver comentários (8) | adicionar aos favoritos

30-12

O Correio da Educação deseja a todos os seus leitores e colaboradores um excelente ano de 2012, cheio de desafios e descobertas nesta paixão que é ensinar e aprender.



publicado por Correio da Educação às 14:59
link do post | comentar | ver comentários (4) | adicionar aos favoritos

21-03

O verso alcançando o infinito

 

O poema nasce de um impulso,

de uma febre, da tirania de uma miragem,

da tentação sonora de uma metáfora,

do vazio que teme transformar-se em nada.

Depois é a escrita, é o trabalho da mão

sobre a matéria incandescente das sílabas.

E, quando damos por nós, é de corpo inteiro

que estamos na fragilidade do poema

como se tivéssemos ousado cavalgar numa nuvem

para desafiar todos os poderes do céu.

 

Quem ousará explicar este sortilégio?

Nem sequer os deuses, pois esses

nasceram da própria erupção do verbo,

da explosão da prece fingindo ser capaz

de vencer o sofrimento e o assombro.

 

O poema nasce, afinal, da ilusão

de que ainda resta algo para ser dito

e de que o silêncio é um cativeiro fugaz

em que as palavras se amotinam

para de novo voltarem a ser voz.

 

José Jorge Letria, O Livro Branco da Melancolia (2001)



publicado por Correio da Educação às 10:52
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos

17-12

 

Para assinalar o início das férias de Natal, deixamos aqui um divertido vídeo em português sobre como seria a Natividade com todas as tecnologias de que dispomos hoje.

 

 



publicado por Correio da Educação às 13:00
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

16-06

 

Morreu, em Lisboa, David Mourão-Ferreira, poeta, e ensaísta, professor universitário. Entre as suas obras contam-se: “Os Amantes e Outros Contos”, “Um Amor Feliz” e “Entre a Sombra e o Corpo


publicado por Correio da Educação às 16:33
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

 

“16 - Junho (sábado). Um pássaro canta no espaço da mata. Canta como louco na radiação do sol. […] Ninguém lhe deve prestar atenção a não ser eu. Não liga importância canta, à mesma, pela pura necessidade de existir. Um dia acabará o seu destino e deixará de cantar. Mas uma tarde de sol, hoje, comigo aqui, ocasional ouvinte, ele explicou a alegria da vida que passou por ele – já tão eterno como os deuses quando era costume existirem.” (Vergílio Ferreira, Conta-Corrente 2)


publicado por Correio da Educação às 16:32
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

 

Aprovada em Portugal uma lei proibindo aos maridos o direito de abrirem a correspondência de suas mulheres.


publicado por Correio da Educação às 16:31
link do post | comentar | adicionar aos favoritos


CONTACTOS

ce@asa.leya.com
pesquisa
 
Correio Disciplinar
Ciências Sociais e Humanas
Línguas e Literaturas
Ciências Exatas e Experimentais
Expressões
Escola em destaque
Escola Secundária Alcaides de Faria
Agenda


arquivo
Ligações
Parceiros
subscrever feeds