22-11

1. A cultura é uma marca natural do homem, pelo que não há homem sem cultura e onde houver um homem aí surgirá a cultura correspondente. Porque o homem existe num tempo e num espaço, o devir temporal - constituído pelo tripé passado, presente e futuro - é indissociável da cultura. Este triângulo, o horizonte existencial do homem, é reelaborado constantemente pelo ele e pela comunidade onde se integra, a partir do lugar donde ele vê o mundo.

Vem esta reflexão a propósito do livro de Joaquim Paço d’Arcos, Correspondência e Textos dispersos 1942 -1979. Corresponde ao quarto volume da obra Memórias da Minha Vida e do Meu Tempo de um homem das sete partidas, filho de oficial da Marinha, que esteve ligado à governação de colónias portuguesas e de companhias nelas sedeadas, funcionário da Companhia Nacional de Navegação e diretor dos serviços de imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Estes dois últimos cargos tornaram-no um espetador privilegiado do mundo entre os anos trinta e os anos sessenta do século XX: trabalhava de manhã no primeiro e à tarde no segundo.

Denominada Empresa Nacional de Navegação, em 1881, e Companhia Nacional de Navegação, em 1918, a existência desta empresa/companhia releva o papel desempenhado pelo mar na mentalidade portuguesa até ao último quartel do século passado. Foi o mar, mais do que a terra, que nos ligou ao mundo e, em especial, a África.

Foi o mar, um nosso aliado, mais que opositor, na busca da nossa subsistência histórica. Mesmo se, nas palavras de Pessoa, lhe podemos gritar: “quanto do seu sal / são lágrimas de Portugal. / Por [o] cruzarmos, quantas mães choraram, / Quantos filhos em vão rezaram! / Quantas noivas ficaram por casar”. E, no romance tradicional, “a nau Catrineta / tem muito que contar / [concretamente] Passava mais de ano e dia / Que iam na volta do mar / Já não tinham que comer / Já não tinham que manjar.”

 

 

2. A presença da África na cultura portuguesa que aflora da obra de Joaquim Paço d’Arcos, publicada pela Dom Quixote no centenário do nascimento do autor, revela duas imagens: uma de serenidade, de equilíbrio, de normalidade histórico-cultural, e outra de perturbação dessas características, situando-se o ponto de viragem no início da década de sessenta quer com a guerra quer com a questão da Sociedade Portuguesa de Escritores, em 1965, ao atribuir o prémio de novelística a Luandino Vieira, ao qual o autor se opôs.

As duas décadas seguintes implantam uma nova imagem de África no imaginário cultural português caracterizada pela desorientação e pelo trauma. E a consciência nacional cultural ainda não alcançou, até hoje, um equilíbrio renovado na visão cultural africana, balançando entre o saudosismo romântico e o quase esquecimento catártico, entre o economicismo, puro e duro, e o individualismo relacional cultural.

Na verdade, a matriz africana da cultura portuguesa, ao longo do século XX, ostenta cambiantes vários: liberais, axiológico-históricos, escolares, institucionais, economicistas e românticos.

 

3. E o futuro? Como superar esta ausência, este hiato, este vazio, deixados na cultura portuguesa pelas últimas décadas? Como transmitir às novas gerações o património cultural que durante séculos impregnou o imaginário coletivo nacional e dos povos com quem nos relacionámos em África?

Impõe-se uma nova matriz cultural. Nesta intervêm agora, mais do que antes, os povos que tomaram o seu destino sobre os ombros, a partilhar, mutuamente, com o nosso. Temos de ser criativos, abertos e generosos na reapreciação do passado e na invenção do futuro. A cultura comum não pode deixar de contemplar o devir temporal, referido no início, passado, presente e futuro de todos nós.

Temos de nos elevar acima das coisas e de nós próprios, com a sabedoria milenar dos povos, como no registo dos da América Central: “Somos mais altos do que a palmeira, / porque os nossos olhos chegam às palmas, / chegam às aves voando por cima das palmas. / Somos mais longos do que um rio, / porque ouvimos o longínquo rumor do mar / ou fechando os olhos vemos o fulgor das praias.” (Rosa do Mundo, 205)

Quanto ao passado, há que conhecê-lo, revisitá-lo e assumi-lo, desde aqui e agora. Há que verbalizá-lo, a várias vozes ou países, com franqueza e vontade de dele retirar os alicerces de uma cultura, a construir a várias mãos e servindo múltiplos projetos. Para isso, tenhamos presente uma mensagem azteca, na qual, o passado como: “O rio passa / e nunca cessa. / O vento passa, passa / e nunca cessa, / A vida passa: nunca regressa.” (Rosa do Mundo, 140)

O presente deve recolher as boas vontades de todos, a solidariedade de pessoas abertas perante o mundo e a disponibilidade para encontrar pontos de equilíbrio na visão de cada um. E o futuro será essa confluência de interesses a negociar, onde todos ganham desde que por ele façam o seu melhor e busquem o mais justo e o mais verdadeiro.

Ainda aqui, uma sabedoria americana, a dos Quíchuas, nos poderá guiar ao longo desse percurso: “A hora virá de nos alegrarmos / juntos dançando sob a lua cheia. / Hemos de cantar a canção mais doce. / A hora virá de dançarmos juntos […] / Sob estrela de ouro, sobre chão de flor.” (Rosa do Mundo, 163).

 

J. Esteves Rei - Professor Catedrático de Didáctica das Línguas e de Comunicação, na UTAD, Vila Real

 



publicado por Correio da Educação às 12:00
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

28 comentários:
De roof repair service a 8 de Outubro de 2019 às 12:42
Impressive information on your internet site, much obliged for conserving excellent dependability to pass on to us. Wonderful understanding you bring this existing, it's exceptional to uncover a web site that improved aspects such an excellent amount of information fretting specific professionals.


De backlinks seo a 31 de Outubro de 2019 às 17:49
On that website page, you'll see your description, why not read through this.


De sotera anderson lawyer a 2 de Dezembro de 2019 às 14:22
I develop this is regularly an essential as well as likewise fascinating short post, as necessary, I accept thusly it's extremely valuable and additionally besides contemporary. I might wish to financial debt of gratitude remains for the tasks you have actually made in making this study.


De The Personal Law a 9 de Dezembro de 2019 às 06:57
Outstanding, brilliant send. I wish to compose such as this as well - needing substantial financial investment and also exceptionally troublesome work to make an excellent write-up. I regard playing every smidgen of it I have you ever bookmarked to check out new things you established.


De Weinkauf, P.C & Benner a 9 de Dezembro de 2019 às 12:36
I am changing right into additional accustomed to it higher! Cheers, save doing sensational! stand up with these stimulating artistic creations. It truly is extra appropriate than wrong to realize that this subject is being protected similarly in this net website so cheers for reserving the initiative to talk about this!


De Weinkauf, P.C & Benner a 9 de Dezembro de 2019 às 12:39
I am changing right into additional accustomed to it higher! Cheers, save doing sensational! stand up with these stimulating artistic creations. It truly is extra appropriate than wrong to realize that this subject is being protected similarly in this net website so cheers for reserving the initiative to talk about this!


De Weinkauf, P.C & Benner a 10 de Dezembro de 2019 às 06:01
I am changing right into additional accustomed to it higher! Cheers, save doing sensational! stand up with these stimulating artistic creations. It truly is extra appropriate than wrong to realize that this subject is being protected similarly in this net website so cheers for reserving the initiative to talk about this!


Comentar post

CONTACTOS

ce@asa.leya.com
pesquisa
 
Correio Disciplinar
Ciências Sociais e Humanas
Línguas e Literaturas
Ciências Exatas e Experimentais
Expressões
Escola em destaque
Escola Secundária Alcaides de Faria
Agenda


arquivo
Ligações
Parceiros
subscrever feeds