05-12

 

* Teresa Martinho Marques

Sim, eu sei. Tempos difíceis.


Mas não poderemos virar costas a perguntas e a reflexões que são importantes, mesmo que não pareçam prioritárias.


Os Magalhães ― que nas mãos certas, nas escolas certas, com os professores certos, em projetos nacionais e internacionais e iniciativas louváveis/formação por parte da Equipa de Recursos Tecnológicos Educativos e respetivos Centros de Competência TIC espalhados pelo país, têm sido fonte de muita inovação de práticas em contexto de sala de aula ― vão desaparecer. Chegará o dia em que os últimos alunos que os têm ainda na sua posse os levarão consigo e não regressarão. Vai ser já no final do próximo ano letivo que o adeus definitivo acontecerá. O adeus gradual já está a acontecer: os alunos de 1.º e 2.º ano vivem sem eles em muitas escolas que também não tinham/têm equipamento próprio em quantidade e qualidade suficientes para permitir um trabalho regular, eficaz, mais individualizado e consistente no 1.º ciclo e pré-escolar (não esqueçamos que estão em vigor há dois anos metas TIC transversais a todos os ciclos de ensino, incluindo o pré-escolar, e que os computadores não são um luxo, mas uma ferramenta do currículo nacional).

 

As assimetrias são ainda uma realidade. Os Magalhães diluíram-nas e foi possível a muitas escolas trabalhar pela primeira vez as TIC de forma consistente e regular. Mas essas assimetrias irão emergir de novo depois do adeus. Lado a lado coexistem escolas novas e recentes com equipamento que permitirá (no 1.º ciclo e pré-escolar) continuar o trabalho já iniciado, mas são mais as escolas que não poderão fazê-lo depois dos Magalhães – agora apenas na posse de alunos dos 3.º e 4.º anos - saírem das escolas.


O investimento que tem sido feito na formação em contexto, por várias instituições, produziu já um conjunto de profissionais com ideias, projetos e a competência necessária para utilizar os computadores de forma integrada, adequada e equilibrada nas suas aulas. Desenvolvem nos seus alunos competências várias e até mudam paradigmas (com bons resultados), levando os seus alunos a construir artefactos digitais recorrendo à programação e, com isso, elevando o conjunto de competências desenvolvidas a padrões pouco comuns para estes níveis etários. Falo da matemática e de outras áreas curriculares, mas também de competências transversais, raciocínio lógico, comunicação, resolução de problemas, rigor e disciplina do pensamento, cooperação com outros, autoestima, confiança, persistência, autonomia, comportamentos adequados no digital. Conseguem a motivação de alunos menos motivados, a alteração de comportamentos e outras mudanças importantes com reflexos diretos no desempenho dos alunos. São boas práticas, algumas delas descritas e documentadas, que podem ser replicadas ou, pelo menos, continuadas por esses professores (que naturalmente as fazem evoluir com a experiência acumulada).


Mas está a chegar o dia do adeus. Estes mesmos professores, a trabalhar em escolas de 1.º ciclo não equipadas, perguntam-me muitas vezes nos momentos de formação à qual se entregam com entusiasmo e vontade de aprender: E depois? Com imensa pena, não lhes sei responder e não quero acreditar que tudo se afundará numa memória longínqua. Embora as escolas já estejam partidas ao meio, metade dos alunos com e metade sem, ainda há algum tempo para se pensar numa solução. Mas é um tempo curto que se vai esgotar rapidamente.


Admitindo a importância de dotar crianças/famílias de acesso às tecnologias (as polémicas associadas pouco interessam agora), seria fácil de prever que muitas escolas pouco beneficiariam a longo prazo com essa medida, como agora se constata: depois do adeus ficarão vazias de equipamento, de oportunidades e de sonhos de fazer mais e melhor, se nada mais acontecer.


Talvez pior do que nunca sequer ter sonhado, é já ter saboreado o sabor doce da aventura e não poder mais reproduzi-lo com a mesma qualidade e intensidade, por falta de ingredientes essenciais.


Numa altura em que  a UE quer um reforço no ensino de competências na área das TI, o que estaremos como país a pensar fazer no futuro, depois do adeus, nas escolas do 1.º ciclo e pré-escolar que ainda não estão equipadas de forma adequada?

 

* EB 2,3 de Azeitão e CCTIC – ESE/IPS: http://projectos.ese.ips.pt/cctic/ e http://eduscratch.dgidc.min-edu.pt/    



publicado por Correio da Educação às 15:00
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

6 comentários:
De 福利分享 a 30 de Maio de 2016 às 07:55
Well written in this article.


De 福利分享 a 30 de Maio de 2016 às 07:58
Well written in this article.


De Helen a 21 de Junho de 2016 às 14:41
Very good article. Education is really important and we should always think how to improve it. Schools should always have the best resources and equipment.


De van cleef necklace a 27 de Setembro de 2016 às 11:08
van cleef necklace


De hermes bracelet replica a 27 de Setembro de 2016 às 11:08
hermes bracelet replica


De cartier glasses wholesale a 27 de Setembro de 2016 às 11:08
cartier glasses wholesale


Comentar post

CONTACTOS

ce@asa.leya.com
pesquisa
 
Correio Disciplinar
Ciências Sociais e Humanas
Línguas e Literaturas
Ciências Exatas e Experimentais
Expressões
Escola em destaque
Escola Secundária Alcaides de Faria
Agenda


arquivo
Ligações
Parceiros
subscrever feeds