29-09

 

Uma em cada cinco espécies de plantas no planeta está ameaçada de extinção, a maioria nas regiões tropicais, revela hoje um estudo científico internacional que atribui as maiores responsabilidades às intervenções humanas no meio. (Público)


tags:

publicado por Correio da Educação às 15:48
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos

 

Objectivos

- Reflectir sobre o novo paradigma da funcionalidade humana e as suas implicações nos modelos de intervenção junto da população com deficiência ou incapacidade;

- Conhecer a Classificação Internacional de Funcionalidade (CIF) enquanto instrumento organizador do processo de avaliação e programação da intervenção em Educação Especial;

- Analisar as implicações do Decreto Lei nº 3/2008 de 7 de Janeiro, no processo de avaliação das Necessidades Educativas Especiais de Carácter Permanente;

- Apresentar formas de operacionalizar a aplicação da CIF em contextos multidisciplinares no âmbito da Educação Especial.

 

Programa

09:30h - Apresentação

10:00h - Início da formação


- Análise das implicações da nova lei da Educação Especial no processo de avaliação das NEE e na organização das respostas.

11:30h - Intervalo para café

11:45h - A Classificação Internacional de Funcionalidade - Um Novo Paradigma de Avaliação das NEE: Modelo Subjacente e Aspectos Estruturais.

13:00h - Almoço (Livre)

14:00h - Processo de avaliação das NEE por referência à CIF: Fases do processo, intervenientes e instrumentos de apoio.

15:30h - Intervalo para café

15:45h - A aplicabilidade da CIF: Apresentação de estudos de caso.

18:00h - Fim dos Trabalhos

 

Formadora

Maria da Conceição Vitorino BaiãoProfessora de Educação Especial

- Especialização no domínio Cognitivo e Motor.

- Mestranda do Curso de Comunicação Alternativa e Tecnologias de Apoio da Universidade Lusófona.

 

Destinatários

- Docentes de Educação Especial;

- Psicólogos e Terapeutas;

- Técnicos de Serviço Social

- Estudantes de cursos das áreas da Educação ou da Saúde.

 

Local: Hospital CUF Descobertas - Lisboa (Parque das Nações)

 

Nº de Vagas - 35 (Admissão por Ordem de Chegada das Fichas de Inscrição)

 

Horário: 9.30 às 18 horas

 

Preço de Inscrição

Até 04/10/2010 - € 75   ;    Após 04/10/2010 - € 100

 

Possibilidade de efectuar o pagamento com 2 cheques pré-datados (30 Set. e 30 Out. 2010).

Nota: O cheque deve ser passado à ordem de Oficina Didáctica e enviado juntamente com a ficha de inscrição.

Se preferir efectuar o pagamento por transferência bancária, por favor solicite-nos o NIB.

Caso a inscrição não seja aceite, os valores pagos serão devolvidos.

 

Ver mais...


tags:

publicado por Correio da Educação às 15:32
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos

28-09

A Universidade Católica Portuguesa, no Porto, criou uma "formação inédita" para pessoas com idade acima dos 50 anos, revela o director da instituição, Joaquim Azevedo. Trata-se da primeira formação anunciada a pensar num público mais velho e começa já em Outubro. Esta semana, foi a vez da Universidade Técnica de Lisboa (UTL) propor um programa que vai no mesmo sentido. (Ver mais)


tags:

publicado por Correio da Educação às 13:26
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos

 

 

 

 


tags:

publicado por Correio da Educação às 12:44
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

O jornal Ciência Hoje (www.cienciahoje.pt) e a Ciência Viva - Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica vão lançar o concurso «Se eu fosse...cientista!» para as escolas do Ensino Secundário.

É a terceira iniciativa conjunta, depois de «Na Senda de Darwin» e «Faz Portugal Melhor», esta última em 2009/ 2010 a que concorreram inicialmente 700 equipas.

«Se eu fosse... cientista» é um desafio lançado aos jovens com 3 provas que apelam à investigação e à criatividade.


tags:

publicado por Correio da Educação às 11:25
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

27-09

Xavier Montserrat

Editora: Edições ASA

Ano da Edição: 2006

 

Sinopse

 

O objectivo desta obra é mostrar, concretamente, como melhorar a motivação, dando a cada um as suas próprias razões para agir. Com efeito, não há sucesso nas organizações sem motivação duradoura das pessoas que lá trabalham. E os actores não sentem motivação se não encontrarem uma resposta para as expectativas e aspirações individuais. Partindo da situação actual das teorias da motivação, o autor mostra que o modo mais seguro de motivar os indivíduos é apoiar-se nos seus próprios valores, modernizar as relações de poder, favorecer a expressão das emoções, reforçar o sentimento de equidade e de segurança. A temática do sucesso está também presente pois reforça a motivação através de uma visão partilhada do futuro, de um nível de exigência elevado em articulação com os valores de referência, de uma relação com a autoridade aumentando a autonomia, a criatividade, a aspiração ao desenvolvimento; permitindo a cada um criar, manter e reforçar a sua própria motivação.



publicado por Correio da Educação às 09:38
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Sabedoria


Ouça um bom conselho...

 

Palavras da mãe, dos pais, de livros ou sabedoria popular, dadas de graça, como os conselhos de Chico Buarque, ou quase impostas. Pessoas com sucesso em Portugal dizem quais as sugestões que mais marcaram as suas vidas. Eduardo Lourenço (Foto: Nélson Garrido) Zé Pedro, guitarrista dos Xutos e Pontapés: "Escolhe uma profissão de que gostes" Zé Pedro está a conduzir e não hesita muito quando é questionado sobre qual foi o melhor conselho que recebeu. "Veio dos meus pais, que sempre me incutiram a ideia de que ser feliz na profissão era o mais importante", diz o guitarrista dos Xutos e Pontapés. "Desde cedo, fui muito picado pela minha mãe, que sempre achou que eu tinha muito jeito para as artes." Não houve conversas de escolher uma profissão para o futuro, uma coisa certa. "A minha mãe teve um papel muito grande", lá concede Zé Pedro. "O meu pai era militar, desconfiava talvez", admite. O interesse de Zé Pedro pela música começou cedo, mas não descobriu logo o que fazer com ele. "Comecei a interessar-me por música muito cedo, a comprar discos aos 11, 12 anos." "O primeiro single foi aquele tema de gospel, Oh Happy Day, era viciado naquilo.

 

Público on line, 06.09.2010 - 11:24 Por Maria João Guimarães, Nicolau Ferreira


tags:

publicado por Correio da Educação às 09:18
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Prontuário de Erros Corrigidos de Português

 

 

 

D’Silvas Filho

Editora: Texto Editores

Tema: Dicionários e Gramáticas

Ano: 2010

5.ª Edição

 

Sinopse

 

• Glossário dos erros corrigidos frequentes.

• Vocabulário de dificuldades com mais de 20.000 entradas.

• Vocabulário fundamental do Novo Acordo.

• Abreviaturas e notas para a inovação da escrita.

• Regras ortográficas em vigor sistematizadas e numeradas, para fácil consulta.

• Regras gramaticais pormenorizadas, com notas sobre o Dicionário Terminológico.

• Dicionário Terminológico comentado.



publicado por Correio da Educação às 09:17
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Hoje como ontem…

1. O mesmo mar, mas o interior diferente. A mesma terra portuguesa, mas diferentes os estrangeiros a visitarem-nos – hoje chegam pelos aeroportos, ontem, de carro, pela estrada da Beira, recebendo-os a minha geração, à boleia, entre a Guarda e Celorico, à chegada, e entre Celorico e a Guarda, à partida.

A mira era treinar uma língua estrangeira e ver se, pernoitando aí, as filhas poderiam sair à noite, até ao parque, houvesse ou não Festas da Cidade, acompanhadas ou não pelos pais…

Neste ano, diz a comunicação social, o Algarve teve um mês de Agosto pleno, mas de Portugueses. Querendo com isso dizer que teve menos dinheiro. Mas ainda bem, pois, assim foi mais nosso…E as moiras encantadas – que ainda por lá as deve haver – terão assim ficado mais contentes, por falarem e ouvirem mais a nossa língua!

 


J. Esteves Rei - Professor Catedrático de Didáctica das Línguas e de Comunicação, na UTAD, Vila Real



publicado por Correio da Educação às 09:10
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Inês Silva*

É inevitável, por vezes, não se ouvirem certas conversas que ocorrem entre pessoas, anónimos discretos que, distraidamente, se sentam num qualquer lugar e falam sobre os seus afazeres, filhos, sogras, trabalho, entre outros aspectos. Ninguém faz por mal: nem quem fala e é ouvido por alguém, nem quem ouve alguém falar. O ouvinte, que só por acaso é ouvinte, não é um espião nem um jornalista. É alguém que ouve mas não ouve. No entanto, possuindo o ser humano curiosidade aguçada, tal como tem mostrado ao longo da História, por que não liga ele à conversa alheia?

A resposta é muito simples: as conversas do dia-a-dia são cada vez mais vazias. Não têm conteúdo. Por isso, não vale a pena procurar ouvir. Não têm interesse nenhum para ninguém. E ai de quem se atreva a lançar para a mesa um tema polémico, pertinente ou inteligente. A boa conversa está a ser substituída pela tagarelice oca, imposta por regras de cortesia pouco sólidas numa sociedade cada vez mais destituída de conhecimento e de espírito crítico. Não se está aqui a falar de técnicas da expressão oral, mas sim de assunto, tema, conhecimento – da inventio dos retóricos.

Inês Silva - Doutora em Linguística (Sociolinguística). Tem realizado estudos sobre a escrita dos alunos. É autora de várias publicações de carácter didáctico e de carácter linguístico. Na ficção, publicou o romance: A Casa das Heras. É docente no Externato Cooperativo da Benedita.



publicado por Correio da Educação às 08:37
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

CONTACTOS

ce@asa.leya.com
pesquisa
 
Correio Disciplinar
Ciências Sociais e Humanas
Línguas e Literaturas
Ciências Exatas e Experimentais
Expressões
Escola em destaque
Escola Secundária Alcaides de Faria
Agenda


arquivo
Ligações
Parceiros
subscrever feeds