17-12

ORAÇÃO DO DEUS MENINO

Era noite; e por encanto
Eu nasci, raiou o Dia.
Sentiu meu Pai que era Santo,
Minha mãe, Virgem – Maria.

Jaime Cortesão (Ançã, 1884-1960)
Natal… Natais, Vasco Graça Moura (ant.), Público, 05: 185

 



publicado por Correio da Educação às 13:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos

A ESTRELA DOS REIS MAGOS

Ditosa estrela, que os três Reis guiaste,
Da praia Oriental tão fielmente,
Que o grande Rei dos Reis omnipresente
Menino em um presépio lhes mostraste.

Diogo Bernardes (Ponte da Barca - 1520-1605)
Natal… Natais, Vasco Graça Moura (ant.), Público, 05: 50



publicado por Correio da Educação às 10:40
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Campos Monteiro


Do berço em roda – tinge-se o nascente
da madrugada nos subtis cambiantes –
é numeroso o grupo, e diferente
a expressão que se lê nitidamente
no olhar de cada um dos circunstantes.

De joelhos, um Pastor olha a Criança,
e alegre balbucia –  “Ó Salvador!” –
E sobre a sua alma ingénua e mansa
desce o clarão de bem-aventurança
que há-de irromper um dia no Tabor.

Queimando incenso e mirra – “É o Rei!”
– murmuram os Magos, vindos do Oriente. E já,
conforme as profecias asseguram
'nas mãos franzinas de Jesus procuram
o restaurado cetro de Judá.

O bondoso José, meio curvado,
proclama: –  “É Deus!” - E olhando o céu profundo,
sorri, ao ver o homem libertado.
O Bem domando a serpe do Pecado
e a Liberdade iluminando o mundo.

Só de Maria o rosto, que descora,
revela um sofrimento extraordinário,
– “É o Mártir!” – diz consigo. E à luz da aurora
que os montes de oiro e púrpura colora,
avista, ao longe, o morro do Calvário...

In Dominus Tecum!. Curso Alegre de Latim, Artur Bivar (Frey Gil, dir.) Braga, 25 de Dezembro de 1926: 1.



publicado por Correio da Educação às 09:36
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

16-12

**Altino Serrano

 

Os olhos da ausência, num Natal

 

Entrou no shopping como quem entra num túnel iluminado. Acabava de chegar do Douro e tinha pressa de se perder no rebuliço das gentes em fim-de-semana.
Na primeira esquina dobrada sente sobre si um olhar fixo, vindo de um rosto feminino, ainda jovem, rasgado e claro como a luz do dia. Não o retém, desvia-se e continua sem qualquer fim mais definido, àquela hora, do que o simples deambular por um centro comercial.
Vagueia pelos corredores amplos, formigando de gentes que se deslocam lentas, aparentemente, a matar o tempo ou à espera de quem não vem. À hora marcada e em frente à Dielmar, onde fora tratar de um fato, chega a Agnuska, uma rapariga suíça do seu tempo, com quem se encontrava de longe a longe, desde a sua estadia naquele país.
Ela nunca conseguira grande integração social na cidade do Porto, preferindo partilhar a nostalgia do seu país com pessoas que dele guardassem quaisquer recordações. E como ele aí vivera alguns anos, em serviço oficial, mantinha esse convívio mais como solidariedade com a senhora do que por qualquer razão verbalizável ou devida à sua passagem pelas montanhas da Heidi.
Como era quase Natal e haviam marcado, em tempos, esse encontro, ele ali estava para o cumprir. Foram juntos tomar qualquer coisa ligeira, pois a hora do cinema aproximava-se. Terminada a fita e cumprida a desobriga da solidariedade que desde há anos se impusera para com Agnuska – não sabendo mesmo por que razão a mantinha – despediram-se, pois tinham os carros em lugares opostos do parque.
Eram onze horas e pensava no que fazer, sozinho, numa cidade que bem conhecera, quando estudante, mas que sentia fugir-lhe das mãos como enguia acossada por pescador fortuito.
Segue de passo lento, liberto das responsabilidades institucionais que deixara para lá do Marão. E nem a proximidade do Natal lhe impunha grandes preocupações com as compras de presentes, pois não tinha família e estava divorciado havia anos. Era sábado à noite, o limiar entre duas semanas, ou um tempo livre para homens livres, como costumava dizer.
Casualmente, olha à sua direita e detém-se na montra de uma loja de artigos desportivos. Porque guarda da juventude o hábito de dar grandes caminhadas, entra, para ver as novidades daquilo que no seu tempo se chamavam “sapatilhas”, transformadas hoje em infindáveis tipos de ténis que enchem as paredes da loja.
– Precisa de ajuda? – ouve da sua esquerda, numa voz suave, saída de um rosto delicado, com um sorriso medido e um olhar que reconhece...

 

 

 

 

 

* In Hoje em Belém. Contos de Natal, José Leon Machado (org. ed. e ver.), Edições Vercial, 2010, http://alfarrabio.di.uminho.pt/vercial/evercial
** Altino Serrano é o pseudónimo de José Esteves Rei, professor na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal. Altino Serrano “é o rosto de dois amigos que se encontraram em viagem de comboio, o ‘Arbalète’, entre Belford e Zurique, numa tarde fria de Outono, em 1978” – como se lê em “Registo de identificação”, na sua primeira coletânea de poemas com o título, Hinos… em Louvor da Terra, editada pela Universidade Fernando Pessoa (Porto, 1996: 3).



publicado por Correio da Educação às 21:15
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

 

O artigo sobre as bactérias que se alimentam de arsénio, publicado a 2 de Dezembro na revista Science, está a ser alvo de fortes críticas por parte da comunidade científica. Os cientistas criticam a forma como a experiência foi conduzida e apontam falhas na fundamentação teórica. (Público)

 



publicado por Correio da Educação às 17:50
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

 

*Inês Silva

 


Boa notícia… a de que subimos no ranking da OCDE. Boa notícia… a de que as retenções baixaram. Boa notícia… a de que os professores foram os grandes responsáveis por estas boas notícias.
A televisão vai mostrando os políticos a regozijarem-se com a aprendizagem de sucesso dos nossos alunos e com o trabalho de todos os professores. Convém-lhes neste momento tecer alguns elogios a quem é sistematicamente espezinhado e culpado dos males maiores da sociedade das (in)competências.

 

* Inês Silva - Doutora em Linguística (Sociolinguística). Professora Adjunta Convidada na Escola Superior de Educação de Santarém. Tem realizado estudos sobre a escrita dos alunos. É autora de várias publicações de caráter didático e de caráter linguístico. Na ficção, publicou o romance: A Casa das Heras.



publicado por Correio da Educação às 12:57
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

 

O Ministério da Educação confirmou que, a partir do próximo ano letivo, a disciplina de Estudo Acompanhado que, desde há quatro anos tem sido aproveitada para reforçar o ensino de matemática, passará a ser apenas para os "alunos que revelem necessidades de apoio e não para toda a turma como atualmente". Segundo o ME prevê-se que o Estudo Acompanhado passe a ter dois tempos semanais. (Público)

 



publicado por Correio da Educação às 10:54
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

15-12

 

Os presidentes das duas associações de diretores escolares portuguesas convocaram todos os dirigentes de escolas públicas para uma reunião nacional, a 8 de Janeiro, a fim de decidir “as medidas a tomar face à instabilidade criada pelo Governo nos estabelecimentos de ensino”.O encontro vai realizar-se em Coimbra e ambas as associações reclamam que antes da criação de novos agrupamentos de escolas sejam analisadas as vantagens e desvantagens dos já existentes. (Público)

 


tags:

publicado por Correio da Educação às 17:40
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

14-12

 

Por decisão do Conselho de Ministros, o novo Acordo Ortográfico passará a vigorar nas escolas já a partir do ano letivo de 2011/2012. Esta resolução adota o novo Vocabulário Ortográfico do Português e o conversor Lince como ferramenta de conversão ortográfica de texto para a nova grafia. Ambos estão acessíveis gratuitamente em www.portaldalinguaportuguesa.org. (Público)

 


tags:

publicado por Correio da Educação às 16:55
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

13-12

 

Segundo o livro Sexualidades em Portugal, recentemente lançado, os portugueses iniciam a sua actividade sexual cada vez mais cedo. A idade média do início da actividade sexual das mulheres passou de 21,2 para 17,2 anos em três décadas. Aproximaram-se, assim, da idade média dos homens que, no entanto, recuou também mais um ano: passou de 17,3 para 16,5 anos.
A obra de Manuel Villaverde Cabral e Pedro Moura Ferreira revela que quase metade dos portugueses refere ter relações sexuais "algumas vezes" por semana, enquanto 7,4% dizem ser uma prática diária ou quase diária. (JN)

 



publicado por Correio da Educação às 10:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos

CONTACTOS

ce@asa.leya.com
pesquisa
 
Correio Disciplinar
Ciências Sociais e Humanas
Línguas e Literaturas
Ciências Exatas e Experimentais
Expressões
Escola em destaque
Escola Secundária Alcaides de Faria
Agenda


arquivo
Ligações
Parceiros
subscrever feeds